como precificar projetos de arquitetura e design de interiores

O limestone é uma rocha livre de metais pesados, ou seja, não agride o meio ambiente.
Conheça o limestone,  pedra tendência no mundo da arquitetura
10 de abril de 2018
portaria com mármore carrara
Portaria ganha modernidade e valorização com o uso do mármore
24 de abril de 2018
Um projeto de arquitetura não é um serviço qualquer, que pode ser facilmente tabelado. Trata-se de um trabalho feito sob medida, resultado de anos de experiência e criatividade única.

Veja nossas dicas de precificação de projetos de arquitetura e saiba o que levar em conta na hora de elaborar um orçamento.

A precificação de um projeto de arquitetura ou design de interiores é uma tarefa importante em qualquer projeto, já que um orçamento malfeito pode trazer muitos prejuízos.

Afinal, se o arquiteto apresentar um preço muito baixo ou abaixo do mercado, corre o risco do famoso “pagar para trabalhar” ou ter uma margem de lucro muito baixa frente à demanda do projeto. Por outro lado, valores muito altos e além do cobrado pelo mercado podem afugentar os clientes.

Por isso, dada à complexidade do tema, precificar um projeto é uma tarefa que gera muitas dúvidas nos profissionais, tanto nos menos experientes quanto nos mais tarimbados.

O que levar em conta, então, na hora de fazer o cálculo? Muitas metodologias podem ser utilizadas na hora de elaborar um orçamento, e algumas varáveis devem ser levadas em conta. Quer saber mais? Confira nossas dicas sobre como precificar projetos de arquitetura e design de interiores.

Analise seus custos

Embora seja um passo básico, muitos profissionais acabam negligenciando essa etapa, o que pode acarretar inúmeros prejuízos.

Lembre-se de que cada empresa ou escritório tem os seus custos próprios, seja com os valores pagos em salários, aluguel, contas, software e também o pró-labore, que é o salário do empreendedor.

Essa contabilidade é muito importante para análise de custos do negócio, tanto para compor o preço final do serviço, quanto para avaliar se o seu escritório é competitivo diante das referências do mercado.

Pesquise o mercado

Pesquisar o mercado é importante para entender não apenas quanto vale o seu trabalho, mas também quanto o público está disposto a pagar por ele.

Tente descobrir, portanto, os preços usuais de projetos semelhantes na região em que a obra será precificada. Para conseguir esses dados, conte com pesquisas, conversas com colegas de profissão e até mesmo com clientes de outros escritórios que fizeram projetos parecidos.

Conheça sua produtividade

Cada empresa apresenta uma produtividade única, que está ligada tanto ao desempenho dos profissionais da equipe quanto à otimização dos processos internos.

Um preço correto depende também desse entendimento, já que o arquiteto precisa saber o esforço necessário para determinado projeto, assim como a quantidade de tempo que levará para concluir este.

Saber estimar o tempo gasto é fundamental, visto que um projeto longo demais e mal precificado pode trazer sérios prejuízos para o escritório.

Valor do projeto

Uma das metodologias mais utilizadas para precificar um projeto de arquitetura é a fixação de um valor por metro quadrado, principalmente em projetos mais simples.

Entretanto, além do tamanho do local, é importante considerar na equação outros fatores que contribuem na complexidade e no trabalho que o arquiteto terá, como os tipos de acabamentos, estrutura e a região na qual o imóvel está.

Por isso, outra metodologia comumente utilizada para a precificação de orçamento é o método de percentual/porcentagem, muito utilizado em outros países e recomendada pelo IAB, Instituto de Arquitetos Brasileiros.

Utilizada em projetos mais complexos, essa metodologia traz cálculos mais aprofundados e leva em conta os fatores que incidem sobre o grau de dificuldade que o arquiteto terá na elaboração do projeto, considerando: o tamanho da área construída; o tipo de edificação; e o grau de complexidade do projeto.

A partir da combinação dessas variáveis, o CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil) criou uma tabela com valores percentuais que variam de 2% a 15%. Esse percentual, que deve ser aplicado sobre o custo da obra, irá corresponder ao honorário.

Sua assinatura

Por fim, lembre-se de que um projeto de arquitetura não é um serviço qualquer, que pode ser facilmente tabelado. Trata-se de um trabalho feito sob medida, resultado de anos de experiência e criatividade única. Assim, o valor da assinatura equivale ao renome do criador.

A regra é simples: iniciantes com pouco reconhecimento, que ainda não possuem um vasto portfólio, têm valor de assinatura mais baixo. Por outro lado, veteranos bem-sucedidos, premiados e com um belo portfólio podem cobrar mais por sua assinatura.

Ah, e é importante deixar claro que assinatura não é o mesmo que lucro do projeto: o lucro trata do retorno sobre o capital investido, enquanto a assinatura, assim como em qualquer obra de arte, é relacionada à autoria do projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *